POLÍTICA / Deputados esperam 'efeito dominó' após condenação de Cunha

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi condenado nesta quinta-feira (30) a 15 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão. Deputados opositores e aliados conversaram com a Sputnik Brasil sobre o significado e os possíveis desdobramentos da condenação de Cunha.
Visto anteriormente como aliado do governo, Eduardo Cunha se virou contra Dilma Rousseff após o PT pedir a cassação do seu mandato na Câmara. Com isso, Cunha virou o principal orquestrador do impeachment de Dilma, o que foi encarado com uma disputa de poder pautada pelo revanchismo. Ele, inclusive, inúmeras vezes declarou que "levaria muita gente junto" em caso de queda.

Com o anúncio da condenação do ex-presidente da Câmara, aumenta a expectativa para uma delação premiada de Cunha. A Sputnik Brasil conversou com exclusividade com alguns deputados sobre os possíveis desdobramentos da sentença do peemedebista.

De acordo com deputado Décio Lima (PT/SC), a condenação de Cunha "representou a expressão do golpe que feriu o Estado Democrático de Direito brasileiro e a democracia".

"Eu acho que esse momento em que ele recebe essa condenação tem também o elemento de nós construirmos uma percepção de que o Brasil foi duramente golpeado, enganado, num processo lamentavelmente envolvendo parte da elite brasileira", disse o deputado.

O petista manifestou a esperança de que a Justiça brasileira seja menos seletiva e que as delações atinjam o presidente Michel Temer.

"Nós já vimos pessoas como o próprio golpista Michel Temer ser 43 vezes delatado, outros tantas vezes e não há nenhum procedimento em curso contra esses que sim, são os maiores corruptos do país e que tomaram, inclusive, o poder de assalto", destacou.

Juliano Medeiros, da Coordenação Nacional do PSOL, também viu com bons olhos a sentença do peemedebista. Segundo ele, a "condenação do ex-deputado Eduardo Cunha era uma necessidade para a defesa da democracia brasileira e levar também a justiça de volta ao seu papel".

"Há uma série de argumentos bastante substantivos que comprovam que o ex-deputado Eduardo Cunha estava no centro das operações ilegais promovidas pelo PMDB que ainda tem outros atores como o Senador Romero Jucá, Renan Calheiros, o Ministro Moreira Franco, o Ministro Eliseu Padilha e o próprio presidente Temer. Todos eles envolvidos nas operações financeiras para desvio de recursos públicos nas estatais brasileiras", comentou.

Já o deputado Carlos Marum (PMDB/MS) defendeu Eduardo Cunha, afirmando que ele não seria o "chefe do petrolão", argumentando que, no caso do ex-presidente da Câmara, a operação Lava Jato "prendeu o índio, mas esqueceu dos caciques ou do cacique".

"Cadê os outros? Eu tenho a convicção de que mesmo que tenha sido parte do processo, o deputado Eduardo Cunha não é o chefe do petrolão", disse.

Ao ser perguntado sobre quem seria o cacique dos esquemas de corrupção, o deputado não quis comentar, se resumindo a dizer que "tem gente mais comprometida" nas citações das delações.

Por: br.sputniknews.com
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site VALBAHIANEWS.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][btop]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]

JOGOS DA SEGUNDA RODADA DA COPA JACUÍPE.