FIQUE SABENDO! / Em e-mail ex-Procurador pede ajuda dos EUA para detonar BNDES, fundos de pensão e políticos

O ex-procurador Marcelo Miller, que trocou de lado e é acusado de, ainda no MPF, organizar a delação da JBS, deixou explícito em e-mail que enviou para si mesmo o uso dos Estados Unidos como “alavanca” para fazer avançar investigações contra instituições e autoridades brasileiras.
A informação foi divulgada nesta quarta-feira 8 pelo diário conservador Folha de S. Paulo (ver infográfico abaixo).

Miller pediu exoneração do MPF em fevereiro de 2017. Ele alega que nunca tratou do caso da JBS enquanto ocupava o cargo público.

O procurador, que atuou ao lado de Rodrigo Janot, se transferiu para o escritório Trench Rossi Watanabe, que tinha contrato com empresas de Joesley Batista.

No dia em que sua exoneração foi publicada, 5 de abril, Miller viajou para os Estados Unidos para fazer uma apresentação sobre a JBS com passagem paga pelo escritório no valor equivalente em reais a R$ 36,2 mil, mais que o salário anterior dele no MPF, R$ 34,9 mil.

Não está claro se a apresentação foi relativa ao acordo de colaboração feito pela empresa com autoridades norte-americanas, mencionado no e-mail.

Na mensagem, datada de 9 de março, Miller faz um roteiro de como os dirigentes da JBS deveriam agir para conquistar a delação premiada em termos favoráveis.

Num dos itens da mensagem, ele escreve: “A ponta internacional como alavanca: precisamos procurar as autoridades dos EUA e iniciar o procedimento de cooperação lá”.

Como conclusão, ele resume o que a JBS teria a oferecer: “Estamos trazendo pela primeira vez BNDES, que era a última caixa-preta da República, estamos trazendo fundos, Temer, Aécio, Dilma, Cunha, Mantega e, por certo ângulo, também Lula. Temos elementos muito sólidos de corroboração”.

A Operação Lava Jato foi alvo de recente crítica do senador Roberto Requião por atuar como se existisse num território alheio ao Brasil.

Ele escreveu:
O juiz Sérgio Moro sabe; o procurador Deltan Dallagnol tem plena ciência. Fui, neste plenário, o primeiro senador a apoiar e a conclamar o apoio à Operação Lava Jato. Assim como fui o primeiro a fazer reparos aos seus equívocos e excessos. Mas, sobretudo, desde o início, apontei a falta de compromisso da Operação, de seus principais operadores, com o país. Dizia que o combate à corrupção descolado da realidade dos fatos da política e da economia do país era inútil e enganoso. E por que a Lava Jato se apartou, distanciou-se dos fatos da política e da economia do Brasil? Porque a Lava Jato acabou presa, imobilizada por sua própria obsessão; obsessão que toldou, empanou os olhos e a compreensão dos heróis da operação ao ponto de eles não despertarem e nem reagirem à pilhagem criminosa, desavergonhada do país.

Pilhagem, acrescenta o Viomundo, que serve para manter Temer no poder e, ao mesmo tempo, é de interesse daqueles que estão comprando o Brasil na bacia das almas, notadamente as empresas norte-americanas de petróleo.

Por: viomundo
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

[DESTAQUE][btop]