Morte do ex-Presidente Juscelino Kubitschek não foi um acidente, possível assassínio político encomendado pelo antigo regime militar, diz Comissão

A Covemg apresentou um relatório de 1.781 páginas nesta quarta-feira
A Comissão da Verdade em Minas Gerais (Covem) apresentou, na manhã desta quarta-feira (13), o relatório das investigações sobre as violações de direitos humanos no período da ditadura militar no estado. Um dos pontos destacados no documento foi a conclusão de que o ex-presidente Juscelino Kubitscheck provavelmente foi assassinado.

Mais de 40 anos depois do ocorrido, a morte de JK em um acidente na rodovia Presidente Dutra, próximo a Resende (RJ), é alvo de constantes polêmicas. A Comissão Municipal da Verdade de São Paulo concluiu por um atentado. Já a Comissão Nacional diz que foi um acidente.

No novo relatório, a comissão mineira (Covemg) diz que é “plausível, provável e possível que as mortes (de JK e seu motorista Geraldo Ribeiro) tenham ocorrido devido a um atentado político”. Juscelino morreu quando viajava do Rio de Janeiro para São Paulo em um opala conduzido pelo motorista Geraldo Ribeiro. Próximo a Resende, o carro cruzou o canteiro central em direção à pista oposta e bateu em uma carreta. A versão oficial é que um ônibus teria batido no opala e provocado o acidente. O motorista foi absolvido.

Para chegar à conclusão, o grupo analisou as pesquisas das comissões nacionais e estaduais da verdade que já concluíram os trabalhos. A Covemg aponta contradições como o fato de não ter sido feita uma perícia na pista e o fato de não terem sido feitos exames toxicológicos no motorista de JK. Outro ponto apontado são fotos diferentes do opala constatadas nos laudos periciais.

O coordenador da subcomissão que analisou o caso, Carlos Melgaço Valadares, diz ainda que uma perícia feita 20 anos depois pela Delegacia de Resende concluiu que não houve sabotagem, porém a chapa do carro analisado não era a do veículo de JK. Para o pesquisador, JK teria sido morto por sua oposição à ditadura e por defender as eleições diretas.

No relatório de 1.781 páginas, feito em quatro anos por mais de 100 pesquisadores, a Covemg também conclui que o Estado deve ser responsabilizado pela omissão ou conivência em casos de tortura, morte e desaparecimento. Segundo o coordenador da comissão, Robson Sávio Souza, o grupo mineiro apontou tentáculos da ditadura nos três poderes de Minas Gerais e no setor privado.

De acordo com o relatório, associações e empresas de áreas como mineração, siderurgia e reflorestamento eram aliados de primeira hora do regime. “Você tinha uma rede que tinha políticos, empresários e outros agentes do estado que se aproveitaram desse período para promover violação dos diretos humanos no estado. A ditadura era um corpo muito mais amplo do que conhecemos”, disse.

Entre os braços estatais, a comissão apontou a Ruralminas que “atuou pela legitimação de terras griladas em detrimento dos posseiros”. Por isso, uma das recomendações do grupo é que a Assembleia faça uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a instituição.

Sávio destacou ainda que, entre os trabalhadores rurais, o número de mortos, apontado pela comissão mineira, é maior dos que já haviam sido divulgados. De 78 assassinados, o documento passa a 109.
A Covemg expediu uma série de recomendações para os três poderes do estado para evitar que práticas consideradas como “resquício da ditadura” continuem a ocorrer em Minas. “Muitas das práticas que ocorriam no período ditatorial, como tortura e violação sistemática dos direitos humanos continuam ocorrendo. Então, o relatório recomenda uma série de questões que podem mitigar essas práticas e trabalhar com a prevenção delas”, afirmou o coordenador.

Acidente ocorreu no quilômetro 165 da Rodovia Presidente Dutra, em Resende (RJ) / Covemg

Por: Estado de Minas
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

[DESTAQUE][btop]