POLÍTICA / ESPECIALISTA RUSSO DIZ QUE, SEM LULA, BOLSONARO PODE VENCER

Para o diretor da Faculdade de Ciências Econômicas e Sociais da Academia de Economia Nacional e Administração Pública russa Aleksandr Chichin, a condenação do ex-presidente Lula em segunda instância, já era previsível e o mais grave nesta situação não é a hipótese de Lula não poder participar das próximas eleições, mas "expulsar" da política o maior partido do país que governou por mais de 10 anos; "Para o atual presidente brasileiro, Michel Temer, o perigo de que Lula volte a ser presidente tem sido absolutamente real. Por isso, foi preciso ativar a máquina judiciária", diz Chicin; analista indicou, ainda, Jair Bolsonaro como o provável vencedor da disputa eleitoral em 2018
Em 24 de janeiro, o ex-presidente brasileiro, o petista Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) em segunda instância, com uma pena prolongada de 9 para 12 anos.

Na sequência, foi também ordenada a apreensão de seu passaporte, o que significa que Lula, a partir de agora, não pode sair do país. Enquanto isso, o PT se apressou a anunciar a pré-candidatura do político apesar da condenação.

Aleksandr Chichin, diretor da Faculdade de Ciências Econômicas e Sociais da Academia de Economia Nacional e Administração Pública russa, compartilhou com o serviço russo da Rádio Sputnik sua opinião em relação ao assunto.

"É uma decisão bem previsível. Porém, o aumento da pena era bem imprevisível, a meu ver. Bem poderia se limitar ao prazo que já havia, é o bastante para privar uma pessoa de 72 anos da hipótese de participar [das eleições]", sublinhou o especialista.

Entretanto, Chichin sublinhou que ainda não é completamente claro se Lula na verdade não terá chance de se candidatar às presidenciais de outubro do ano corrente.

"A coisa é que ele foi condenado pelo Tribunal em segunda instância, o que significa que ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal. Segundo, quanto à proibição de ocupar quaisquer postos eleitos, ele ainda pode se dirigir também ao Tribunal Superior Eleitoral. De fato, este pode lhe permitir participar, embora a lei nacional de fato diga que, caso a decisão seja tomada pelo Tribunal em segunda instância, nem o Supremo Tribunal, nem o Tribunal Superior Eleitoral o devem fazer", explicou.

O especialista opina que o fator mais grave nesta situação não é a hipótese de Lula não poder participar das próximas eleições, mas o ato de "expulsar" do panorama político o maior partido do país que governou por mais de 10 anos. Isto, em sua opinião, foi o resultado da ascensão drástica das posições do petista nas sondagens.

"Para o atual presidente brasileiro, Michel Temer, o perigo de que Lula volte a ser presidente tem sido absolutamente real. Por isso, foi preciso ativar a máquina judiciária. Não havia outro jeito, pois todas as sondagens têm indicado que Lula da Silva pode voltar ao poder", enfatizou.

Ademais, o analista indicou Jair Bolsonaro como o mais provável vencedor da disputa eleitoral em 2018, por ele ser o segundo melhor colocado e por a esquerda brasileira estar muito enfraquecida e dividida.

Ao falar sobre as relações dos países latino-americanos, Chichin relembrou a chamada "virada à esquerda" no continente e até se referiu a algumas "teorias da conspiração", levando em conta que em muitos países da região "contagiados pela febre populista" os grandes líderes começaram a sofrer de doenças graves ao mesmo tempo.

"Tudo começou em 2008, quando foi revelado… Há pouco, o WikiLeaks publicou estes dados, sobre o período de 2008 em que o Departamento de Estado e a CIA dos EUA exigiram à embaixada estadunidense no Paraguai que apresentasse os códigos de ADN de todos os presidenciáveis", relembrou.

Já depois, as autoridades norte-americanas começaram a promover uma política que sempre fizeram, a de promoção dos seus interesses nacionais no território latino-americano, apoiando os candidatos vantajosos para si (basta se referir à figura de Macri, atual presidente argentino). Em vários casos, como, por exemplo, na Venezuela, ressalta Chichin, Washington optou pelo caminho de "asfixia" através das sanções.

"Seu interesse pelo Brasil está absolutamente claro. Caso não consigam manter Temer e a continuidade da política pró-americana, então voltará o PT e haverá uma virada para o lado completamente oposto", sublinhou.

Por: sputniknews
“Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem… Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor!”
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

LEIA A BÍBLIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

[DESTAQUE][btop]