FIQUE SABENDO! / Como o agronegócio está exportando nossa água

Produtos como soja, café, algodão, açúcar e carne bovina, enviam para o exterior mais de 112 trilhões de litros de água doce
No Brasil, a quantidade de água voltada somente para a agricultura beira os 70% do consumo total, valor bem mais alto que os 10% voltado para o consumo doméstico
O capital, sobretudo internacional, há anos tem se interessado por um dos maiores recursos naturais que despomos em nosso território: a água. Do ponto de vista estratégico, esse é um dos elementos fundamentais que garantem nossa soberania, no entanto, a cada ano que passa, observamos a ganância das multinacionais, se apropriando deste bem natural tão importante pra vida.

Segundo dados da UNESCO, por ano, o Brasil envia para o exterior aproximadamente 112 trilhões de litros de água doce, o que equivale a cerca de 45 milhões de piscinas olímpicas. Esse número nos coloca entre os maiores exportadores da chamada “água virtual”, um conceito que mede a quantidade de água utilizada e absorvida na produção de commodities agrícolas voltadas para a exportação.

No Brasil, a quantidade de água voltada somente para a agricultura beira os 70% do consumo total, valor bem mais alto que os 20% correspondentes à indústria e os 10% voltado para o consumo doméstico.

Entre os produtos exportados que mais utilizam água, a soja se destaca. Recentemente, o IPEA lançou um relatório sobre a “água virtual” utilizada na produção do grão. De acordo com o órgão, só em 2013, exportamos mais de 55,6 milhões de toneladas de soja, totalizando, um volume de água superior a 123 bilhões de m³.

Os principais destinos foram China (71 bilhões de m3), Países Baixos (12,8 bilhões de m3), Espanha (4,8 bilhões de m3), França (3,7 bilhões de m3), e Alemanha (3,4 bilhões de m3).
04/08/2017- Paraná- Exportação histórica de soja no Porto de Paranaguá. Foto: IvanBueno/ AG. Paraná
Consumo desproporcional
São diversas as formas de obtenção de água por parte das grandes empresas multinacionais que dominam o mercado do agronegócio irrigado no país.

Segundo o IBGE, no início dos anos 1960, o Brasil tinha apenas 462 mil hectares irrigados. Hoje em dia, o número é bem mais elevado, a estimativa é que mais de 6,1 milhões de hectares estejam voltados para o consumo de água para o agronegócio e com possibilidade de expansão para até 47 milhões de hectares.
Foto: João Zinclair
Recentemente, a população de Correntina, município localizado no oeste da Bahia se revoltou ao observar a forma desproporcional a qual uma empresa vinha utilizando a água de um dos rios que cortam a região. A empresa em questão, Igarashi, de origem japonesa, consome hoje aproximadamente 100 vezes mais do que toda população do município, retirando água diretamente do Rio Arrojado, responsável por abastecer a cidade.

O ato trouxe a tona uma antiga discussão da forma com que as empresas vêm se apropriando dos rios e em alguns casos, até mesmo de nascentes.

Uma tecnologia recente vem dominando as produções irrigadas do agronegócio em todo o país, os chamados “pivôs centrais”. Esse sistema envolve uma área circular projetada para receber uma estrutura suspensa que em seu centro recebe uma tubulação que gira de forma circular. Esse processo envolve uma grande quantidade de água que na maioria dos casos é proveniente de rios, por meio de bombas.

O mapeamento nacional dos pivôs centrais indicou 19,9 mil equipamentos, em 2014, com ocupação de 1,3 milhão de hectares. Essa área é 43% superior à registrada pelo IBGE no Censo Agropecuário de 2006, quando os números indicavam 893 mil hectares.

Os sistemas estão localizados em sua maioria em áreas de cerrado e mata atlântica, respectivamente 79% e 11%, majoritariamente nos estados de Minas Gerais, Goiás, Bahia, Paraná e São Paulo.

Segundo Temóteo Gomes, da coordenação do MAB (Movimento dos Atingidos Por Barragens), na região oeste da Bahia, importante pólo de produção do agronegócio nacional, centenas de pivôs foram instalados nos últimos anos, consumindo um número absurdo de água.

Só na região de Jaborandi, temos instalados mais de 117 pivôs centrais. Em todo o Oeste da Bahia são mais de 160 mil hectares irrigados, tem empreendimentos com 12 bombas de captação de água ligadas 24h. A maioria é monocultura, grãos para exportação, nada fica pra região”, afirma Temóteo.

A “outra” ameaça do agronegócio
Além da água absorvida diretamente e entregue aos estrangeiros, o agronegócio, ao explorar a terra por meio de monoculturas, gera impactos diretos e indiretos aos ecossistemas. A forma de produção limitada a um só “produto” pode desencadear uma alteração brusca no meio ambiente, alterando o nível de chuvas, por exemplo, o que acaba diminuindo o abastecimento dos rios e nascentes, além de causar impactos sociais às populações. É o que aponta Bruno Pilon, da coordenação nacional do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores).

O maior problema é que a conta do uso da água, e o retorno da água pelo agronegócio não fecham. Além dos índices de contaminação eles retiram mais água do que conseguem colocar no solo, onde o agronegócio passa fica um rastro evidente de seca. Conseguimos observar isso de forma muito marcante nos monocultivos do eucalipto no extremo norte do ES e no sul da BA responsável por secar muitos mananciais que atendiam comunidades camponesas inteiras, o eucalipto é exportando, vai pra longe, mas a seca fica”, aponta.

Segundo ele, outro impacto profundo causado pelo agronegócio diz respeito à contaminação das nascentes pela produção intensiva com agrotóxicos.

A legislação ambiental que diz respeito ao uso dos venenos não é cumprida por eles, e mesmo se fosse sabemos que ainda iria impactar. Quem tem um cofre no peito, não tem respeito algum às fontes de água, e isso tudo vai parar no prato, ou no copo das pessoas, os componentes dos venenos não desaparecem na água, e impactam toda a vida ao seu redor, não só as famílias camponesas, mas o bioma por completo. O agronegócio vê a água assim como o solo, como um depósito de fatores, lá se tire e se coloca o que quer e quando quer e quem mais sofre com isso são as populações do campo e da cidade, da pra imaginar que quando você toma banho em sua casa pode estar também se “ensaboando” com glifosato?, questiona.

Para Bruno, vivemos num momento delicado no que diz respeito ao consumo de água, correndo riscos graves de escassez.

Um dos impactos indiretos mais cruéis são os relacionados à morte de muitos rios e córregos, eles mudam drasticamente o mapa hidrográfico de onde se instalam e isso muitas vezes é irreversível, sendo responsável pelo fim do abastecimento de água de muitas comunidades. Esse modelo de produção não só está fardado ao fracasso, como empurra toda a humanidade com ele, a desertificação de nossos solos está em curso acelerado, e podemos chegar a um quadro irreversível, é muito contraditório viver num pais com uma das maiores reservas de água do mundo, se o modelo produtivo nos cerceia o acesso”, completa.

Por: fama2018
“Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem… Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor!”
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

SEJAM BEM VINDOS! TRABALHAMOS COM APOIO DE:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][grids]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

[DESTAQUE][btop]