Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Este site é dedicado a todos Varzeanos que estão em outras cidades e estados do brasil, com saudade de tudo de bom que tem neste lugar (Várzea da Roça-BA ). Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas. Aaproveitem para ouvir a Rádio Ouricuri.

FIQUE SABENDO! / JORNALISTA DA GLOBO PODE DAR OPINIÃO. DESDE QUE SEJA A MESMA DA EMPRESA.

MESES APÓS o golpe militar de 1964, o tenente Juracy Magalhães, nomeado ministro da Justiça de Castelo Branco, convocou reunião com os donos de grandes jornais e listou uma série de jornalistas comunistas que deveriam ser demitidos. Roberto Marinho se recusou e disse uma frase que se tornaria célebre: “Nos meus comunistas mando eu: eles escrevem o que eu quero.” Esse poderoso aliado, fundamental para o golpe militar, não disse isso por espírito democrático, como se sabe. Ele estava garantindo aos milicos que tomaria as rédeas dos seus comunistas para que o regime não fosse importunado.
Foto: Reprodução/ Globo News
Hoje, sem os militares e com as redes sociais, a vigília se tornou mais complicada, mas continua, ainda que de forma velada e sutil. Chico Pinheiro, um dos únicos jornalistas do time principal da Globo a tomar posições mais progressistas publicamente, teve áudios gravados no WhatsApp vazados. Neles, criticava a cobertura da Globo, Sérgio Moro e prestava solidariedade a Lula, a quem considera um injustiçado.

Logo após a viralização dos áudios, o chefe de jornalismo da Globo, Ali Kamel, aquele jornalista que defendeu em livro a tese insana de que o Brasil não é um país racista, emitiu um comunicado interno igualmente insano alertando seus subordinados sobre a etiqueta jornalística da casa. Alguns trechos soam como piada a qualquer um que esteja minimamente ligado no jornalismo global.

O maior patrimônio do jornalista é a isenção. Na vida privada, como cidadão, pode-se acreditar em qualquer tese, pode-se ter preferências partidárias, pode-se aderir a qualquer ideologia. Mas tudo isso deve ser posto de lado no trabalho jornalístico. É como agimos.

Kamel evoca o mito da imparcialidade jornalística. O jornalista deve deixar sua alma em casa e, quando chegar no trabalho, virar um robô a serviço da pureza da informação, da técnica jornalística, da neutralidade. Nada pode ser mais falso e hipócrita. As preferências ideológicas dos jornalistas podem não ser explícitas, podem não ficar claras para a maioria do público, mas são perceptíveis aos mais atentos. Não é difícil imaginar em quem William Bonner, Merval Pereira e Sardenberg votaram nas últimas eleições presidenciais. Eles não precisam falar. Vestindo o terninho da imparcialidade fica muito mais fácil para impor a narrativa desejada.

A cobertura da prisão do Lula feita ao vivo pela GloboNews, por exemplo, foi toda calcada na narrativa de que a justiça estava sendo feita. Todos os jornalistas que trabalharam na cobertura falavam com certo deboche sobre os argumentos contrários à prisão, reduzindo a defesa de Lula como mera bravata política do PT e fingindo ignorar que outros partidos, juristas, jornalistas, intelectuais, enfim, parte significativa da sociedade civil do Brasil e do mundo comungava da mesma opinião.

Gerson Camarotti, um jornalista que gosta de repetir que as instituições estão funcionando normalmente, disse durante a cobertura que havia uma estratégia de vitimização do PT, que Lula teve amplo direito de defesa e que foi julgado pela primeira, segunda e última instância. Como se isso bastasse para definir a prisão como legítima, ignorando que grandes injustiças históricas do mundo seguiram os ritos judiciais, como o próprio golpe de 1964, que teve o aval do STF.

Apesar do disfarce de jornalismo isento, ali está claramente embutida a opinião do profissional, ainda que de forma implícita. É natural que seja assim. Jornalistas são seres humanos, animais políticos com opinião, e não robôs programados para repassar informação com neutralidade. Isso não existe. Uma lição básica do jornalismo é a de que é possível contar uma mentira informando apenas verdades. Por isso, quanto mais se souber o que realmente pensa o jornalista, melhor. O que falta ao jornalista não é a falsa imparcialidade cobrada por Kamel, mas transparência.

Segue o comunicado:
Daí porque não se pode expressar essas preferências publicamente nas redes sociais, mesmo aquelas voltadas para grupos de supostos amigos. Pois, uma vez que se tornem públicas pela ação de um desses amigos, é impossível que os espectadores acreditem que tais preferências não contaminam o próprio trabalho jornalístico, que deve ser correto e isento

Mas parece que algumas preferências contaminam mais o jornalismo do que outras. Nem todo pecado de opinião foi motivo para ação castradora do chefe. Alexandre Garcia, por exemplo, é dos jornalistas mais prestigiados da empresa e suas opiniões políticas sempre foram expressas com vigor nas redes sociais. Nunca se soube de um comunicado interno quando Garcia afirmou de forma categórica que os “53 milhões de eleitores que votaram em Dilma” seriam “cúmplices” da corrupção na Petrobras. Será que ele, que foi porta-voz da ditadura militar, também poderia ser chamado de cúmplice dos assassinatos e torturas comandados pelo regime do qual fez parte? Também não se soube de comunicado interno quando Garcia lembrou com saudosismo do que para ele foram anos dourados:

Um último registro: a morte do capitão do Tri no México, Carlos Alberto. Foi a melhor equipe que o Brasil já teve e marcou o início do entusiasmo que empurrou o Brasil para 3 anos de crescimento médio de 11,2% ao ano – crescimento chinês – com o entusiasmo de todos. Inclusive eu, estudante na época, como todo mundo, tinha no carro o plástico: ‘ame-o ou deixe-o’, que era um recado para os terroristas, entre os quais estava a Dona Dilma.

Esse é o jornalista “correto e isento” que a Globo escala para comentar política em seus principais programas jornalísticos. Alguém que chama uma ex-presidenta de “terrorista” pelo simples fato de ter lutado contra a ditadura militar. Não se soube de qualquer constrangimento de Ali Kamel diante dessa barbaridade antidemocrática proferida por Garcia. O Grupo Globo se desculpou por ter apoiado o golpe pero no mucho, não é mesmo?

A jornalista Leilane Neubarth, que costuma opinar tranquilamente em suas redes sociais, tratou a prisão do ex-presidente como uma vitória do Brasil sobre Lula e o PT, assim como fez o MBL. Não se trata de uma opinião solta. Ela estava integrada à narrativa adotada pela Globo durante todo o processo que levou Lula para a prisão.
Não há relatos de que esse tweet tenha incomodado a chefia. Na verdade, nesse caso, nem é a opinião que está “contaminando o trabalho jornalístico”, mas a pontuação gramatical aplicada no modo freestyle.
Mas voltemos para o comunicado de Kamel. Ele chega ao final ganhando contornos cada vez mais humorísticos:

A Globo é apartidária, independente, isenta e correta. Cada vez que isso acontece, o dano não é apenas de quem se comportou de forma inapropriada nas redes sociais. O dano atinge a Globo. E minha missão é zelar para que isso não aconteça. Portanto, peço a todos que respeitem o que está em nossos Princípios Editoriais

O trecho em negrito dispensa comentários. Só para ficar num exemplo recente, a Globo se posicionou claramente a favor das reformas draconianas de Temer e utilizou uma concessão pública de TV para defendê-las acintosamente, concedendo pouco ou nenhum espaço para opiniões contrárias. Segundo levantamento da ONG Repórter Brasil, 90% dos textos sobre a reforma da previdência no jornal O Globo foram favoráveis à mudança. No Jornal Nacional, foram 29min54s de cobertura favorável, contra apenas 2min 47s de cobertura crítica – uma reportagem que questionava a exclusão dos militares da reforma. A Época chegou até a dar de presente para o governo Temer, a custo zero, uma sobrecapa publicitária defendendo a reforma da previdência, como revelou Ruben Berta para The Intercept Brasil. Essas são a independência, a isenção e a correção do jornalismo de Ali Kamel. Uma ficção digna de um ficcionista que renega o racismo no Brasil. Digna de um seriado de Padilha sobre a mídia brasileira.

Está bastante claro que o problema não foi Chico Pinheiro ter expressado uma opinião política. O problema foi ele ter expressado uma opinião política não alinhada à da empresa. O comunicado de Kamel não é um recado para todos seus funcionários a fim de zelar pela credibilidade jornalística da empresa, mas uma maneira velada de tomar conta dos “seus comunistas”.

Por: João Filho/ theintercept
“Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem… Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor!”
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

SEJAM BEM VINDOS! TRABALHAMOS COM APOIO DE:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]