Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Este site é dedicado a todos Varzeanos que estão em outras cidades e estados do brasil, com saudade de tudo de bom que tem neste lugar (Várzea da Roça-BA ). Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas. Aaproveitem para ouvir a Rádio Ouricuri.

POLÍTICA / ‘THE ECONOMIST’ CHAMA BOLSONARO DE AMEAÇA A AMÉRICA LATINA

Jair Bolsonaro, a mais recente ameaça da América Latina
"DEUS é brasileiro", diz um ditado que se tornou o título de um filme popular. A beleza, a riqueza natural e a música do Brasil muitas vezes fazem com que pareça singularmente abençoado. Mas hoje em dia os brasileiros devem se perguntar se, como a divindade no filme, Deus saiu de férias. A economia é um desastre, as finanças públicas estão sob pressão e a política está completamente podre. O crime de rua está aumentando também. Sete cidades brasileiras estão entre as 20 mais violentas do mundo.

As eleições nacionais no próximo mês dão ao Brasil a chance de começar de novo. No entanto, se, como parece muito possível, a vitória for para Jair Bolsonaro, um populista de direita, eles correm o risco de tornar tudo pior. Sr. Bolsonaro, cujo nome do meio é Messias, ou "Messias", promete a salvação; na verdade, ele é uma ameaça para o Brasil e para a América Latina.

Bolsonaro é o último de uma parada de populistas - de Donald Trump na América, a Rodrigo Duterte nas Filipinas e a uma coalizão de esquerda e direita com Matteo Salvini na Itália. Na América Latina, Andrés Manuel López Obrador, um rebelde de esquerda, tomará posse no México em dezembro. O Sr. Bolsonaro seria uma adição particularmente desagradável ao clube (ver Briefing ). Se ele vencesse, poderia colocar em risco a própria sobrevivência da democracia no maior país da América Latina.

Amargura brasileira
Os populistas recorrem a queixas semelhantes. Uma economia fracassada é uma delas - e no Brasil a falha foi catastrófica. Na pior recessão de sua história, o PIB por pessoa encolheu 10% em 2014-16 e ainda não se recuperou. A taxa de desemprego é de 12%. O cheiro de autoflagelação e corrupção da elite é outra queixa - e no Brasil é um fedor. As investigações interligadas conhecidas como Lava Jato (Car Wash) desacreditaram toda a classe política. Dezenas de políticos estão sob investigação. Michel Temer, que se tornou presidente do Brasil em 2016 depois que sua antecessora, Dilma Rousseff, foi impugnada por acusações não relacionadas, evitou julgamento pelo Supremo Tribunal apenas porque o Congresso votou para poupá-lo. Luiz Inácio Lula da Silva, outro ex-presidente, foi preso por corrupção e desqualificado de concorrer às eleições.

O senhor deputado Bolsonaro explorou a sua fúria de forma brilhante. Até os escândalos da Lava Jato, ele era um congressista de sete mandatos do estado do Rio de Janeiro. Ele tem uma longa história de ser grosseiramente ofensivo. Ele disse que não iria violentar uma congressista porque ela era "muito feia"; ele disse que preferiria um filho morto a um gay; e ele sugeriu que as pessoas que vivem em assentamentos fundados por escravos fugitivos são gordos e preguiçosos. De repente, essa disposição de quebrar tabus está sendo tomada como prova de que ele é diferente dos hacks políticos da capital, Brasília.

Para os brasileiros desesperados para se livrarem de políticos corruptos e traficantes de drogas assassinos, o Sr. Bolsonaro se apresenta como um xerife sensato. Cristão evangélico, ele mistura o conservadorismo social com o liberalismo econômico, ao qual ele se converteu recentemente. Seu principal conselheiro econômico é Paulo Guedes, que foi educado na Universidade de Chicago, um bastião de idéias de livre mercado. Ele defende a privatização de todas as empresas estatais brasileiras e a simplificação “brutal” dos impostos. O senhor deputado Bolsonaro propõe reduzir o número de ministérios de 29 para 15 e colocar os generais no comando de alguns deles.

Sua fórmula está ganhando apoio. As pesquisas dão a ele 28% dos votos e ele é claramente o favorito em um campo lotado para o primeiro turno das eleições de 7 de outubro. Este mês, ele foi esfaqueado no estômago em um comício, o que o colocou no hospital. Isso só o tornou mais popular - e protegeu-o de um exame mais minucioso pela mídia e seus oponentes. Se enfrentar Fernando Haddad, o candidato do Partido dos Trabalhadores de esquerda (PT) de Lula no segundo turno no final do mês, muitos eleitores de classe média e alta, que culpam Lula e o PT acima de tudo pelos problemas do Brasil , poderia ser levado em seus braços.

A tentação de Pinochet
Eles não devem ser enganados. Além de suas visões sociais não liberais, Bolsonaro tem uma admiração preocupante pela ditadura. Ele dedicou seu voto para destituir Dilma Rousseff ao comandante de uma unidade responsável por 500 casos de tortura e 40 assassinatos sob o regime militar, que governou o Brasil de 1964 a 1985. O companheiro de chapa de Bolsonaro é Hamilton Mourão, um general aposentado. no ano passado, enquanto estava de uniforme, pensou que o exército poderia intervir para resolver os problemas do Brasil. A resposta do Sr. Bolsonaro ao crime é, na verdade, matar mais criminosos - embora, em 2016, a polícia tenha matado mais de 4.000 pessoas.

A América Latina já experimentou antes misturando políticas autoritárias e economia liberal. Augusto Pinochet, um governante brutal do Chile entre 1973 e 1990, foi aconselhado pelo livre mercado “Chicago Boys”. Eles ajudaram a estabelecer o terreno para a prosperidade relativa de hoje no Chile, mas a um custo humano e social terrível. Os brasileiros têm um fatalismo sobre a corrupção, resumido na frase “rouba, mas faz” (“rouba, mas age”). Eles não deveriam se apaixonar pelo Sr. Bolsonaro - cuja frase poderia ser “eles torturaram, mas agiram”. A América Latina conhece todos os tipos de homens fortes, a maioria deles terríveis. Para provas recentes, olhe apenas para os desastres na Venezuela e na Nicarágua.

Bolsonaro pode não ser capaz de converter seu populismo em ditadura ao estilo de Pinochet, mesmo que quisesse. Mas a democracia do Brasil ainda é jovem. Até mesmo um flerte com autoritarismo é preocupante. Todos os presidentes brasileiros precisam de uma coalizão no Congresso para aprovar a legislação. O senhor Bolsonaro tem poucos amigos políticos. Para governar, ele poderia ser levado a degradar ainda mais a política, potencialmente pavimentando o caminho para alguém ainda pior.

Em vez de cair nas promessas vãs de um político perigoso, na esperança de que ele possa resolver todos os seus problemas, os brasileiros devem perceber que a tarefa de curar sua democracia e reformar sua economia não será fácil nem rápida. Algum progresso foi feito - como a proibição de doações corporativas a partidos e o congelamento de gastos federais. Muito mais reformas são necessárias. O senhor Bolsonaro não é o homem que o fornece.

Este artigo apareceu na seção Líderes da edição impressa sob a manchete "A mais recente ameaça da América Latina"

Por: economist
“Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem… Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor!”
top ads

Nenhum comentário:

Obrigado pelo seu comentário. A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria e não troca de ofensas entre leitores. Comentários anônimos e com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site Val Bahia News.

SEJAM BEM VINDOS! TRABALHAMOS COM APOIO DE:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DE VÁRZEA DA ROÇA

[VÁRZEA DA ROÇA][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA REGIÃO

[REGIÃO][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DA POLÍTICA

[POLÍTICA][stack]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO ESPORTE

[ESPORTE][stack]